Não me convidaram pra essa festa pobre…
Brasil! Mostra tua cara. Quero ver quem paga. Pra gente ficar assim.
“Cazuza nunca foi meu ídolo”.
Estamos em 2011, em breve haverá aqui (no Brasil) Copa das
Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas, mas e dai?
E dai que vivemos em função dos grandes fatos e eventos, vivemos em
função do agora e o agora chegou.
Mas é só isso, e depois?
Que época é essa em que vivemos?
Estamos lidando com melhor idade, geração y… , época das certificações.
Vivemos na época onde tudo são competências e habilidades, tudo.
E as organizações, onde entram? Em tudo.
As organizações têm que desenvolver habilidades e competências, tem que
treinar capacitar e reter seus valores.
Mas como fazer isso?
Como? Se temos que alcançar, ou melhor, temos que bater metas. Temos
que enfrentar a concorrência, dar o melhor preço, o melhor produto, o
melhor serviço, no menor espaço de tempo.
Ah!  Não nos esqueçamos do pós venda. Temos que ter uma excelente
retaguarda.
Mas como?
Quanto tempo se leva para preparar uma equipe, identificar as
necessidades, definir perfil, selecionar, recrutar, treinar, capacitar?
Após essas etapas, integrar a equipe. Mas que equipe? Se nesse momento
alguém encontrou outro lugar para desenvolver suas habilidades, afinal já
está treinado e capacitado para tal.
Problema da organização que preparou para a concorrência, então alguém
irá  questionar,  ou afirmar simplesmente. Não é esse o papel da
organização?
É, preparar para ela. Então que cubra a proposta e não deixe que sua
equipe seja simplesmente desfalcada, ok. Mas isso significa onerar custos e
quem vive para onerar custos?
Não pense assim, veja isso como investimento.
Mas como? Já não investimos na preparação dessa equipe?
Não nos esqueçamos, estamos lidando com a geração Y.
Então, nosso papel é:
Estarmos prontos, sempre prontos para lidar com as contingências e não
lamentar.
Resta  à  organização  oferecer o que há de melhor em se tratando de
benefícios, leia-se: Assistência Médica, Previdência Privada, Alimentação,
Refeição, Transporte, Incentivo a formação e Cultura, etc.
Salário? Não falemos em salário, pois  é coisa do passado. Hoje paga-se
remuneração, remuneração por competência.
Então se habilite, seja capaz de  alcançar e atender as necessidades do
mercado, afinal você é Administrador, Gestor. Ou não?
Que bom lembrar que estamos em 2011.
Que saudade que da lembrar os tempos de outrora.
Quem se lembra dos anos setenta, início de oitenta?
Tempos em que a empresa era quase que um templo para seus
funcionários, tempo em nossos avôs se lembravam e nos falavam de suas
experiências e de seu orgulho em trabalhar em determinada empresa,
naquele tempo havia festa de final de ano nas dependências das empresas
e nessas festas se levavam esposa e filhos e todos iam com imenso orgulho
de saber onde o pai ou avô trabalhava, era também com orgulho que esses
trabalhadores apresentavam seus parentes aos seus chefes (lideres), ali ele
se aposentavam e continuavam a contar suas histórias e seu orgulho por
ter ali passado toda a vida. Ficou a lembrança e com ela a saudade. Eles?
Muitos já se foram.
Voltemos a 2011.
Hoje as organizações devem (é a impressão que se passa) se dar por
satisfeita pelo fato de consegui contratar tal funcionário e esse tal
funcionário se sente fazendo um enorme favor à organização por lhe
emprestar um pouco de seu precioso tempo, aprender a desenvolver suas
habilidade e competências e enviar seu currículo para fazer parte do quadro
funcional da concorrente.
É  esse o tempo em que vivemos. Estamos em evolução ou isso é
simplesmente uma inversão de valores?

Mauro Costa.
Administrador de Empresas;
MBA-Gestão de Pessoas;
PP&C: Personal e Professional Coaching .