É visível que existe uma forte necessidade de readequação de mercado, já que muitas modalidades de negócios foram surpreendidas pela pandemia. O setor de alimentação, por exemplo, que oferecia apenas serviço presencial sofreu impactos imediatos, e nem todos os empreendedores conseguiram mudar suas operações e fazer a distribuição usando os serviços de delivery. Pequenas ações como criação de perfil em redes sociais, divulgação e adoção de novas formas de pagamento como PIX e “Maquininhas” foram decisivos para quem sobreviveu e até cresceu no mercado.

Outro destaque positivo é o setor de agronegócios, que continuou bastante forte mesmo durante a pandemia e este foi um dos fatores que despertou ótimas iniciativas e editais de fomento para a criação de novas startups com foco no agronegócio e serviços essenciais a ele como o fortalecimento da logística e aplicação de novas tecnologias de georreferenciamento e automação de equipamentos aderindo a tendência da Indústria 4.0.

Com isso, mais uma vez, constatamos que a educação empreendedora é necessária, mesmo para que esteja consolidado no mercado. Além dessa, também podemos citar algumas dicas e estratégias para os novos empreendedores:

– Buscar capacitação para operação de seus perfis de redes sociais e aprender a vender de forma virtual;

– Estabelecer uma relação de confiança com o consumidor e conquistar bons comentários em seu feed atrai novos consumidores além de manter sua clientela;

– Esteja sempre em dia com as obrigações financeiras, logo, possuir um bom controle de receitas e despesas é imprescindível à saúde de seu negócio, visto que os fornecedores também entraram em crise.

Há mobilidade para buscar seu espaço?

É possível identificar novos nichos de mercado sim, um exemplo são os estabelecimentos comerciais que ocupavam as regiões centrais das grandes cidades, e tiveram as portas fechadas pela pandemia, pois parte significativa da população deixou de circular na região, mas continua comprando produtos ou serviços similares aos encontrados nos centros.

Outra oportunidade está na diversificação do atendimento, estabelecendo parceiros de divulgação e distribuição que levem seus produtos para mais próximo dos consumidores novamente, reduzindo tempo e custo da entrega. Como exemplo podemos ver a nova estratégia das grandes franquias estabelecendo o modelo de quiosques e mini pontos em carrinhos customizados, espalhando assim seus produtos por mais locais, capilarizando as distribuições e abrangência. Bem como, reduzindo o valor de investimento inicial e captando novos empreendedores franqueados.

Percebem que sempre há possibilidade de prosperar e de se reinventar. Porém, para isso não podemos deixar de fora dessa pauta o quanto os cuidados com a aparência, a estética do negócio e a valorização do cliente são importantes ao negócio. Quer ver? Faça um pequeno exercício pessoal: acesse uma rede social de sua preferência e realize uma pesquisa como o objetivo de comprar um produto ou serviço igual ao que está oferecendo, certamente irá mapear melhorias a serem implementadas em seu negócio.

Outro ‘pulo do gato’ é colocar o cliente no centro do atendimento, isso porque ele é a parte mais importante do seu negócio, não concorda? Da mesma forma que você se sente bem ao receber um retorno positivo por atender satisfatoriamente, é mandatório que agradeça com respeito a um elogio ou crítica negativa em seu feed. Isso mesmo, sem desespero, hoje sabemos que ocorrem erros e divergências, mas buscar formas de confortar e reparar ao máximo os erros e conflitos é fundamental.

Vamos lá, exercite isso em sua rede social, padronize as postagens, valorize o cliente e seja receptivo, conquiste-o a cada venda ou serviço prestado. Ah, e sinta-se convidado a nos dar um feedback da aplicação destas dicas em suas atividades, queremos, da mesma forma que você, ser cada vez melhores!