Liberdade, na Revolução Francesa, queria significar o fim do Absolutismo; igualdade, o fim daqueles privilégios ditados por vínculo sanguíneo. Ambas, juntamente com a fraternidade, formam a tríade que, nos dias atuais, está no âmago das vertentes políticas contemporâneas: os liberais e os socialistas. Cada uma dessas vertentes políticas alça um dos lemas acima citados como bandeira. No entanto, a realidade política contemporânea vem desvelando uma intermitente competição entre os partidos, de modo a que a sociedade seja esculpida à luz de apenas uma dessas bandeiras. Nesse sentido, liberdade e igualdade, que nasceram unidas, são multifacetadas em programações divergentes, que acabam por se excluir. Quando levada a um extremo, a liberdade econômica aniquila a igualdade social. Já a igualdade, quando utilizada a serviço de propósitos absolutamente demagógicos, enfraquece a liberdade empreendedora até o seu completo desaparecimento. É isso!