“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”, Constituição Federal.

O Dia Nacional da Saúde foi determinado em novembro de 1971 através do Decreto-Lei 5352 dedicado a conscientizar a população acerca do valor da saúde. Uma decisão que faz homenagem a Oswaldo Cruz, nascido em 5 de agosto de 1872, e foi o grande cientista que enfrentou epidemias brasileiras do século XX, com implementação de medidas sanitárias, no combate à febre amarela, percorrendo residências, lacrando caixas d’água e realizando avaliação da existência de doentes. Nessa época nascem ainda os protestos conhecidos como a Revolta da Vacina, uma vez que o cientista materializou em decreto a vacinação obrigatória por parte do governo federal, gerando controvérsias e protestos. Também atuou com outras medidas preventivas para surtos como da peste bubônica, que poderia ser controlada com o emprego de um tipo de soro, e da varíola.

Como iniciar a falar sobre o Dia Nacional da Saúde, num momento atual, pandêmico, com forte apelo político, dentro de um cenário no mínimo duvidoso, e perante a tudo que o País está vivendo?

Falar de saúde, na realidade, é falar da falta de doença e entender que o papel do Estado deve ser promover políticas confiáveis, onde a ciência e a saúde andem juntas, de forma a prover o bem-estar físico e emocional a todos.

Neste dia, o que devemos comemorar? De acordo com o balanço de 01/08, do Ministério da Saúde, o Brasil registrou mais 1.088 mortes provocadas pelo novo Coronavírus nas últimas 24 horas, totalizando 93.563 óbitos.

Venho manifestar a esperança perante a conscientização de que Saúde é um bem que não tem preço, mas tem o seu valor. Como profissional de Administração em Saúde, apoio os princípios da Administração na gestão de uma das áreas mais importantes para a população.

Acreditamos que o PLANEJAMENTO deve ser seguido com o sentido estratégico, onde os recursos devem ser alocados, com conhecimento e responsabilidade em prol do bem comum, o Cuidado; que a ORGANIZAÇÃO acompanhe, com o sentido tático, procurando os ajustes necessários agrupando os recursos; que o agir da DIREÇÃO atue no sentido operacional, propiciando a tomada de decisões com os recursos disponíveis; e, por último, que o CONTROLE atue no sentido tático e operacional, estabelecendo medidas de desempenho para adoção de ajustes ao que foi planejado inicialmente.

Falar do Dia Nacional de Saúde, neste ano, diante de tudo que não se explica, é um desafio para todos. Comemorar o quê? Seria cobrar mais atuação das autoridades com a coisa pública e com a VIDA? Com políticas sérias de saúde? Com indicações de profissionais capazes de dar respostas à população? Cobrar por anos de desinteresse pela área?

Não falemos aqui de uma pandemia que só veio demonstrar o quão sofrido está o Sistema de Saúde, desde o atendimento às demandas até as notificações desencontradas das informações. Este mesmo SUS que é um dos melhores e, por que não dizer, o melhor Sistema de Saúde do mundo, mas que mesmo com seus princípios e finalidades depende de vontade política.

Os modelos de gestão aparecem como soluções de todos os problemas, porém demonstram incompetência gerencial e faz com que questionemos se o problema da área é de recursos, de gestão ou de gestão dos recursos?

Aguardemos um dia em que a Saúde seja digna de parabéns pelas políticas de saúde implementadas com eficiência e efetividade, quando as autoridades entenderem que a área é composta de equipes multiprofissionais e de função interdisciplinar, capazes de levar as decisões com base e profissionais indicados, competentes e com o devido conhecimento.

Devemos parabenizar pelo Dia Nacional da Saúde todos que direta ou indiretamente estão dando o suporte necessário aos cidadãos que precisam de assistência, na ponta, apenas com o que têm. Profissionais anônimos, muitos acometidos pela doença e muitos ficando sem seu sustento.

Finalmente, agora com a possibilidade da vacina e lembrando mais uma vez Oswaldo Cruz, esperamos que ela não seja politizada como está sendo a Saúde. Assim, espero que esta seja uma área onde todos possam ter acesso e haja responsabilidade de quem está com a tomada de decisão.

Saúde uma área importante e que tenho orgulho de fazer parte.

Referências:

http://conselho.saude.gov.br/web_sus20anos/20anossus/legislacao/constituicaofederal.pdf

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/08/01/coronavirus—mortes-e-casos-1-de-agosto.htm

https://cmtecnologia.com.br/blog/dia-nacional-da-saude/