Na organização de um Fórum do mote do XIV FIA , sempre ficamos preocupados se as coisas acontecerão no momento certo, na hora certa, que foi planejada, se as conferências irão agradar etc. Por isso, o XIV Fórum Internacional de Administração 2015, em verdade, começou a ser pensado e executado em agosto de 2013. Portanto, tivemos um longo tempo de preparação para que tudo saísse a contento, tendo o Fórum praticamente finalizado quatro ou cinco meses antes. Isso mostra a importância do planejamento e da boa execução.

Este sucesso se deve ao trabalho de muitas pessoas. E teve como foco principal não trazer novas ferramentas para o profissional, e sim, refletir sobre os 50 anos passados e tentar uma projeção futura da nossa profissão. O momento era mais do que propício, devido ao Jubileu de Ouro, e o local perfeito, já que tínhamos ali 2/3 de profissionais e 1/3 de estudantes, conseguindo assim uma boa mescla do que nos espera no mundo desta ciência.

Precisamos entender que Administração não é feita somente de ferramentas, pois elas são superadas, se transformam, são alteradas todo dia. O que precisamos mudar é a cultura das organizações, a maneira de perceber e a estrutura de pensar. Nesse sentindo, o XIV FIA 2015 foi uma descontinuidade na série de eventos que acontecem no Brasil inteiro no que diz respeito à gestão das organizações em suas diferentes áreas de conhecimento, e ao estudo acadêmico, quando ficamos apenas na reflexão pela reflexão. O FIA conseguiu, efetivamente, fazer convergir conceitos teóricos e a realidade prática.

Obviamente, existe todo um processo de mudança de raciocínio. Não será apenas em um evento que acontecerá essa descontinuidade tão necessitada pela profissão. No entanto, a ruptura com a tradição que temos hoje pode ter sido conseguida diante da comprovação no palco do Vivo Rio de que vivemos  uma revolução, com as novidades da tecnologia da informação, que altera o ser humano na sua convivência com os outros seres humanos na face da Terra.

Portanto, como não há nenhuma atividade humana que não seja realizada hoje de uma forma organizada senão por uma Organização propriamente dita, que é o nosso locus, o espaço vital de trabalho do profissional de Administração, esperamos que essa nova forma de pensar venha a gerar um processo de transformação, de uma nova forma de consciência de uma realidade que impõe mudanças bem mais profundas nas ações, comportamentos e na maneira de agir das pessoas dentro das empresas.

Pensar e agir

Se analisarmos a história da sociedade, veremos que há momentos de continuidade e momentos de descontinuidade, de rupturas com as tradições mais arraigadas. É claro e visível que vivemos agora este segundo momento, cheio de perplexidades, indagações  e crises que permeiam estes instantes históricos de mudanças.

Assim sendo, o profissional de Administração tem um papel transcendental nesse estágio de mudança. A Administração não pode ser apenas adjetiva, funcional, instrumental da realidade existente. Devemos pegar as rédeas e compreender essa realidade no sentido de transformá-la. Devemos ser um agente de compreensão e de TRANSFORMAÇÃO no mundo do trabalho, contribuindo para que a organização se ajuste, se adeque ao novo contexto, à nova descontinuidade a que se referiu Pierre Lèvy no encerramento do XIV FIA. Não basta pensar coisas novas. É preciso transformá-las em realidade.

Adm. Wagner Siqueira
CRA-RJ nº 01-02903-7
Presidente