A Fundação Cesgranrio está completando 40 anos. Folheando páginas de sua história, relembramos os relevantes serviços que, nesta trajetória, vêm sendo prestados à educação e à cultura brasileiras. Todos eles marcados pela inovação, pela competência, pela qualidade. Relembramos, também, o que tem realizado na área social, desde seu início. O Programa de Bolsas de Estudo, nesses 40 anos, já beneficiou cerca de 20 mil pessoas.

Consciente da responsabilidade de colaborar com o governo para a construção de uma sociedade na qual as desigualdades sejam menos desiguais e, para que todos, independentemente de sua origem e carência tenham assento garantido no banquete da Vida, a Fundação Cesgranrio, que já vinha colaborando financeiramente com alguns projetos sociais desenvolvidos por ONGs, decidiu criar seu próprio projeto social e, para isto, convidou Claudio Saraiva, com reconhecida experiência nesta área. Estávamos no início do ano de 2003. O primeiro passo foi a realização de um Seminário Interno sobre o trabalho social para um grupo de técnicos da Cesgranrio indicados pela Presidência.

A seguir, Claudio Saraiva elaborou um documento, traçando a Política de Atuação da Fundação Cesgranrio na Área Social. Este documento, depois de ser discutido pelo Grupo que participara do Seminário, foi apresentado e aprovado pelo Conselho Diretor da Cesgranrio.

A Política previa um projeto piloto a ser desenvolvido pela Instituição, em comunidades de baixa renda, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida de todos os moradores, para que os ganhos sociais fossem sustentáveis. Ações pontuais dirigidas, apenas, para um segmento de comunidades já haviam mostrado sua ineficácia. Os fatores de vulnerabilidade existentes destruíam os ganhos sociais, uma vez que seus beneficiários eram obrigados a viver em ambientes de risco, que não haviam sido atingidos pela ação social. Era importante que toda a comunidade fosse envolvida.

Para elaborar o projeto, a Fundação Cesgranrio precisava conhecer as comunidades, seus moradores, suas expectativas. Era preciso, antes, estabelecer uma parceria com os futuros beneficiários, para que eles se sentissem protagonistas, participantes, e não, objetos do Projeto.

Durante três meses, Claudio Saraiva realizou inúmeras reuniões com a Associação de Moradores e com outras lideranças locais, das comunidades indicadas pelo presidente da Fundação Cesgranrio, situadas no seu entorno, onde o Projeto seria desenvolvido.

Com a orientação de duas técnicas da Fundação Cesgranrio, Dras. Ana Carolina Letichevsky e Thereza Penna Firme, especialistas em Estatística e Avaliação, foi realizado um diagnóstico das comunidades Paula Ramos, Vila Santa Alexandrina, Parque André Rebouças e Escadaria.

Foi elaborado um questionário para levantar todas as informações necessárias a um completo diagnóstico. Este questionário foi aplicado a todos os Chefes de Família das quatro comunidades, por 22 moradores, previamente treinados pela Fundação Cesgranrio.

Com base nas inúmeras informações levantadas pelo checklist e extraídas das conversas anteriores com as lideranças locais, foi concebido o Projeto de Desenvolvimento Social Local, com metodologia inovadora, que recebeu, numa eleição em que votaram todos os moradores, o nome que o consagraria – “Apostando no Futuro”.

As atividades a serem desenvolvidas atendiam às prioridades indicadas pelo moradores: regulamentação da documentação civil; atendimento a crianças até 5 anos; ações de atenção preventiva para crianças e adolescentes de 6 a 14 anos por meio de Reforço Escolar, complementação alimentar, participação em atividades esportivas e culturais; qualificação profissional para jovens; atividades esportivas, culturais e de lazer para todas as idades; disseminação de informações de interesse das comunidades.

Essas atividades seriam desenvolvidas por organizações não governamentais de renome e experiência comprovada. Competiria à Fundação Cesgranrio, a Coordenação Geral do Projeto, a Supervisão permanente, abrangendo qualidade das ações e frequência dos beneficiários às atividades, as Avaliações de mérito e impacto realizadas periodicamente, com base no Banco de Indicadores Sociais que foi construído; e o Financiamento Integral do Projeto.

Escolhidas as instituições que seriam encarregadas do desenvolvimento das atividades e feito um Convênio, pela Fundação Cesgranrio, com o Clube Ginástico Desportivo, situado ao lado das comunidades, para locação dos espaços necessários, o Projeto “Apostando no Futuro” iniciou suas atividades no dia 1° de outubro de 2004.

Nove anos são passados, desde 2003, quando tiveram início as primeiras ações para sua concretização. As avaliações, a observação e o acompanhamento permanentes permitem contabilizar vários ganhos sociais atingidos.

A satisfação demonstrada pelas crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos que o frequentam; o orgulho com que eles usam a camisa do Projeto; a formação de um novo tecido social em que as pessoas revelam identidade, autoestima, solidariedade, sede de cultura e informação, amor pela prática de esportes, cuidados com a saúde e hábitos saudáveis, a descoberta que sem educação não se progride, respeito aos valores morais já se fazem sentir.

Tudo isto foi relembrado por mim na comemoração do 6° aniversário de uma das atividades do Projeto – O Cine “Apostando no Futuro”. Aqui é preciso registrar que a Análise Situacional feita pela Cesgranrio, em 2003, mostrou que os moradores das quatro comunidades não frequentavam atividades que lhes proporcionassem ampliar seu horizonte cultural. Não frequentavam teatro, exposições de arte, cinema, até porque não há cinemas no bairro do Rio Comprido.

Dentre as atividades culturais previstas, Cláudio Saraiva procurou oferecer aos moradores das quatro comunidades a oportunidade de assistir sessões semanais de cinema, com filmes selecionados e em circuito nos grandes cinemas.

Nosso parceiro voluntário, o Colégio de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, por meio de seu Diretor, Professor Lincoln Tavares da Silva cedeu o excelente auditório do Colégio, acarpetado, com poltronas estofadas, ar refrigerado, tela cinematográfica, onde todas às 4ªs feiras, às 5 e meia da tarde, cerca de 80 crianças e adolescentes do “Apostando no Futuro” passam momentos de alegria, entretenimento cultura.

Cláudio Saraiva entregou a direção do Cine “Apostando no Futuro” a Márcio Galli, um dos excelentes técnicos que trabalha no Projeto, desde seu início e, hoje, é o Coordenador Cultural do Instituto Semente do Esporte, uma das três instituições conveniadas com a Fundação Cesgranrio, para o desenvolvimento das suas atividades.

Nesses seis anos já foram vistos 280 filmes e desenhos selecionados por Márcio Galli, que lá está todas às quartas-feiras, tornando realidade um dos sonhos de Cláudio Saraiva e atendendo a um dos pedidos das comunidades.

As crianças menores são acompanhadas até o CAP-UERJ, pela Agente Educacional do Projeto, Daniela Duarte, moradora da comunidade e contratada pelo Instituto Semente do Esporte para as funções que desempenha com muita dedicação.  Ao final das sessões, os espectadores recebem um saco de pipoca e um suco e voltam felizes para suas casas.

A festa comemorativa do 6° aniversário contou com a presença do Diretor e da Vice-Diretora do Colégio de Aplicação, da UERJ; da professora Juliana Oliveira que leciona no Reforço Escolar; da Coordenadora Geral e das Coordenadoras de Supervisão e Avaliação do Projeto, técnicas da Fundação Cesgranrio; do Marquinho, funcionário do CAP, encarregado da projeção dos filmes; de Daniela Duarte e Fátima Duarte, moradoras da comunidade que trabalham no Projeto, desenvolvendo ótimo trabalho. Antes do filme, houve sorteio de sete filmes em DVD, foram apagadas, ao som de “Parabéns pra você”, as seis velas do delicioso bolo oferecido pelo Projeto e feito por Fátima Duarte.

Várias pessoas presentes à comemoração falaram sobre a importância do “Apostando no Futuro”, sobre o Cinema criado por ele e que tem, nesses seis anos proporcionado às crianças e aos adolescentes que frequentam o Projeto, momentos de diversão, de alegria e de cultura.

Os adultos presentes, emocionados, comemoravam, além do sexto aniversário do “Cine Apostando no Futuro”, os ganhos sociais alcançados pelo Projeto que vem conseguindo, gradativamente, alcançar seu objetivo, que é melhorar a qualidade de vida de cerca de duas mil pessoas moradoras nas quatro comunidades beneficiadas.

Duas pessoas, foram, especialmente, citadas e lembradas. O presidente da Fundação Cesgranrio, Professor Carlos Alberto Serpa, pelo apoio integral e irrestrito que dá ao projeto e Cláudio Saraiva, que concebeu e coordenou o Projeto “Apostando no Futuro” durante sete anos, colocando todo seu conhecimento na área social e sua sensibilidade a serviço de um projeto que apostou no futuro e que está conseguindo trazer esse futuro para o presente dos moradores das comunidades Paula Ramos, Vila Santa Alexandrina, Parque André Rebouças e Escadaria.

* Educadora