Em épocas de altíssima competitividade como a que vivemos, é imprescindível a existência de exatidão e assertividade nas informações sobre custeio e preços, pois pequenos detalhes podem ser decisivos no processo de precificação do produto. No segmento de comércio e serviço, a diversidade de produtos e o lançamento contínuo de novos modelos no mercado, exigem a convivência da flexibilidade com a produtividade para a obtenção de bons resultados em preços.

Uma ferramenta em especial tem se mostrado muito útil e poderíamos até afirmar imprescindível para determinação de bases e elaboração dos preços de produtos e processos, o estudo de tempos e métodos. Essa ferramenta torna possível a determinação precisa da quantidade da mão-de-obra que será aplicada no produto, o que possibilita a alocação exata destes valores na formação do custo do mesmo e tempo de realização. Como sabemos, o componente mão-de-obra é muito expressivo, o que torna quase que obrigatório o uso de sistemas e ferramentas de apuração exata do valor da mão-de-obra empregada e otimização do tempo.

A aplicação desta ferramenta já é bem antiga nas indústrias, inicialmente idealizada por Frederick Taylor (Administração Científica) e aperfeiçoada por Henry Ford, por alguns anos diríamos, fora até colocada em segundo plano pelos gestores. Porém, é visível o interesse crescente das empresas no emprego desta técnica, principalmente objetivando uma assertividade nos seus sistemas de custeio e precificação. Alguns indicadores de resultado, como produtividade da mão-de-obra, hoje são objeto de acompanhamentos diários dos gestores, pois são estes sabedores do impacto direto nos custos dos produtos.

O estudo dos métodos de trabalho por sua vez trata da análise dos movimentos, do fluxo de trabalho, do leiaute, tratando de visualizar melhorias nos processos objetivando melhores  condições de trabalho para o executor do ponto de vista ergométrico, gerando assim menores fadigas durante sua jornada e consequente melhoria de produtividade com redução dos respectivos custos.

Por outro lado, o uso de padrões de métodos e procedimentos é reconhecido no mundo empresarial como a base da qualidade e produtividade, na qual os operadores são treinados e orientados de uma forma sistêmica para a execução de suas tarefas, para o atendimento dos padrões exigidos pelos processos e consequentemente clientes finais da empresa.

O estudo de tempos e métodos é uma técnica fácil de ser aprendida e poderosa na gestão. Seu conhecedor torna-se por natureza um analista meticuloso e crítico das tarefas executadas.

Hoje em dia as empresas estão desenvolvendo metodologias de elaboração de estudos de métodos e tempos que permitam, em um curto prazo, dispor de dados e materiais para tirar proveito na gestão dos recursos e um programa de treinamento para qualificar a supervisão nesta técnica, o que possibilita uma qualificação superior na gestão dos processos de produção.

Os  propósitos básicos do estudo de tempos e métodos são:

– Definição de padrões para a medição do resultado;
– Definição de padrões para o custeio de mão-de-obra;
– Melhorias dos métodos de trabalho para o aumento da produtividade;
– Definição de medidas para fazer o planejamento de produção, capacidades etc.;
– Implantação de indicadores de resultado para a gestão empresarial.